20 Abril 2017

É Páscoa para cristãos, judeus e samaritanos

Esta terra nunca foi tão santa. Em 2017, a festa da Páscoa foi celebrada por diferentes religiões no mesmo período, cada uma com seus próprios ritos.

Arqueologia, Cultura, e outras religiõe

Loading the player...
Embed Code  

Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Copy the code below and paste it into your blog or website.
<iframe width="640" height="360" src="https://cmc-terrasanta.com/embed/e-pascoa-para-cristaos-judeus-e-samaritanos-12843"></iframe>
Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Por favor, envie um email para :
info@cmc-terrasanta.org

Assunto: Pedido de Vídeo de Alta Qualidade

Mensagem:
Arquivo Pessoal / promoção CMC / TV Broadcasting

http://cmc-terrasanta.com/pt/video/arqueologia-cultura-e-outras-religioe-8/e-pascoa-para-cristaos-judeus-e-samaritanos-12843.html

Nenhuma parte deste vídeo podem ser editadas ou disseminada sem um acordo com antecedência com o Christian Media Center acordarem os termos e condições de publicação e distribuição.
Em 2017, a festa da Páscoa assumiu, nos mesmos dias, diversas conotações. Ao longo da semana se sobrepuseram, de fato, celebrações de diversas religiões, cada uma com seus próprios ritos.

Os judeus celebraram o Pesach, literalmente "passagem", fazendo memória da fuga do povo de Israel do Egito. Em Jerusalém, um dos momentos culminantes foi a Birkat Há Kohanim, a bênção dos sacerdotes. Milhares e milhares de judeus se reuniram de todo o mundo na praça em frente ao Muro Ocidental para uma oração especial, que consiste em cantar três versos consecutivos da Torá.

A mesma Torá, embora com divergências em alguns pontos do texto hebraico, é o livro sagrado que esteve no centro de outra Páscoa: a dos Samaritanos.

BENYMIN TSEDAKA
Responsável Instituto AB dos Samaritanos
“Este é o melhor dia do ano para os samaritanos porque hoje reconstruímos o êxodo do povo de Israel do Egito. Fazemos isso a cada ano, repetindo as mesmas palavras e os mesmos gestos do povo de Israel. Estamos muito emocionados porque estamos respeitando os mandamentos da Torá, verso por verso”.

Eles se definem o povo mais antigo do mundo e um dos menos numerosos. Eles passaram de um milhão e meio, no século IV, a oitocentos hoje. No entanto, apesar da ameaça de extinção, todos os anos honram a tradição da Páscoa no vilarejo de Kiryat Luza, nas encostas do Monte Garizim, considerado o verdadeiro lugar santo onde Abraão deveria oferecer em sacrifício a Deus seu filho Isaac.

Percorrendo o livro do Êxodo, a cerimônia começou com a recitação em hebraico antigo de uma oração conduzida pelo sacerdote mais ancião da comunidade e culminou com o sacrifício de cerca de 50 cordeiros, em seguida, colocados para assar durante horas em buracos profundos e servidos a meia-noite com pães ázimos e ervas amargas.

Assim começou a semana de celebrações, que terminou com uma peregrinação ao amanhecer até o topo do monte.