11 Abril 2018

Pesach, a memória da Páscoa hebraica transmitida à mesa

Significado e tradições da Páscoa hebraica em Jerusalém. Fomos a uma casa de judeus para descobrir o papel que a comida tem na festa.

Arqueologia, Cultura, e outras religiõe

Loading the player...
Embed Code  

Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Copy the code below and paste it into your blog or website.
<iframe width="640" height="360" src="https://www.cmc-terrasanta.org/embed/pesach-a-memoria-da-pascoa-hebraica-transmitida-a-mesa-14726"></iframe>
Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Por favor, envie um email para :
info@cmc-terrasanta.org

Assunto: Pedido de Vídeo de Alta Qualidade

Mensagem:
Arquivo Pessoal / promoção CMC / TV Broadcasting

http://cmc-terrasanta.com/pt/video/arqueologia-cultura-e-outras-religioe-8/pesach-a-memoria-da-pascoa-hebraica-transmitida-a-mesa-14726.html

Nenhuma parte deste vídeo podem ser editadas ou disseminada sem um acordo com antecedência com o Christian Media Center acordarem os termos e condições de publicação e distribuição.
As celebrações de Páscoa terminaram em Jerusalém. Devido a uma convergência de calendários, neste ano, a Páscoa dos judeus, o Pessach, coincidiu com as datas dos cristãos.

As celebrações começaram na noite dos dias 14 e 15 do mês judaico de Nissàn, que correspondeu à noite de 30 de março, ou seja, a Sexta-Feira Santa dos católicos. E continuou por mais sete dias, até a sexta-feira, 6 de abril.

Fr. ALESSANDRO CONIGLIO, ofm
Studium Biblicum Franciscanum
"Mesmo que haja uma discrepância cronológica, fica claro, nos Evangelhos, que o contexto em que ocorre a morte e ressurreição de Jesus é precisamente o da Páscoa. Jesus estava em Jerusalém por ocasião das celebrações da Páscoa, quando o Cordeiro seria sacrificado. E Jesus, como o novo cordeiro, se entregaria para libertar, para fazer a ‘passagem’, e é isso que a Páscoa quer dizer".

São muitos os ritos e de especiais significados. Como nos conta Michael Sierra, um jovem judeu de Jerusalém, o preceito fundamental é transmitir a memória às gerações futuras, através de perguntas. A lembrança é uma parte fundamental do que fazemos todos os dias e cada geração deve se ver como parte do povo judeu fora do Egito.

A história da libertação da escravidão é central para o Seder, a sequência, no jantar que acontece na primeira noite de Pessach. As fases do Êxodo são evocadas e discutidas em uma ordem pré-estabelecida, relendo o antigo texto da Haggadah. "Por que esta noite é diferente de todas as outras?", as crianças perguntam e a história começa.

Conhecemos Mirella, uma mulher judia de origem suíça, que se mudou para Israel há mais de 40 anos, e nos acolheu em sua cozinha.

MIRELLA NISSIM
Gerusalemme
"Estamos aqui em uma cozinha preparada para começar a cozinhar a comida especial para a Páscoa. A cozinha, como você vê, estava toda preparada para não se ter absolutamente nenhuma dúvida de que restariam migalhas de levedura, em lembrança, é claro, dos judeus quando deixaram o Egito e não tiveram tempo de levedar o pão. Então, nessa memória, comemos ázimo durante a semana da Páscoa."

MIRELLA NISSIM
Gerusalemme
"Durante os dias da Páscoa, temos comidas especiais provenientes de várias tradições. Agora vou mostrar o que você comeu na casa dos meus pais e, depois, o que você come em outras casas."

Dois pratos típicos são o talharim com caldo, preparado apenas com ovo e amido; ou as pequenas bolas amassadas com farinha feita do pão ázimo e cozidas em uma panela.

Alimentos e utensílios, como um velho coador herdado dos bisavós, ajudam a transmitir a memória de um povo, juntamente a outras histórias familiares.