06 Agosto 2018

“É bom ficarmos aqui”: a Festa da Transfiguração do Senhor

Após horas de caminhada, cristãos de Nazaré e região chegam ao Monte Tabor. Já pela manhã do dia 6 de agosto, a Missa solene com o Custódio da Terra Santa

Atualidade e Eventos

Loading the player...
Embed Code  

Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Copy the code below and paste it into your blog or website.
<iframe width="640" height="360" src="https://www.cmc-terrasanta.org/embed/e-bom-ficarmos-aqui-a-festa-da-transfiguracao-do-senhor-15485"></iframe>
Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Por favor, envie um email para :
info@cmc-terrasanta.org

Assunto: Pedido de Vídeo de Alta Qualidade

Mensagem:
Arquivo Pessoal / promoção CMC / TV Broadcasting

http://cmc-terrasanta.com/pt/video/atualidade-e-eventos-1/e-bom-ficarmos-aqui-a-festa-da-transfiguracao-do-senhor-15485.html

Nenhuma parte deste vídeo podem ser editadas ou disseminada sem um acordo com antecedência com o Christian Media Center acordarem os termos e condições de publicação e distribuição.
“Jesus levou consigo Pedro, João e Tiago, e subiu à montanha para orar. Enquanto orava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou branca e brilhante” (Lc 9,28).

Seguir essa passagem do Evangelho sobre a Transfiguração do Senhor é o que esses cristãos de Nazaré vão iniciar. A concentração do grupo de 75 pessoas começou a meia noite na Basílica da Anunciação. Tudo pronto para a caminhada de cerca de cinco horas e 15km até o Monte Tabor, para a festa em que Jesus foi transfigurado.

EMILE ABUHANI
Nazaré
“Essa celebração me lembra quando eu era jovem nos escoteiros. Há 65 anos atrás, eu vinha com os escoteiros de Nazaré e acampamos aqui por duas semanas.”

O percurso é longo, mas o esforço vale a pena até chegar ao alto monte e exclamar como Pedro: “Mestre, é bom ficarmos aqui”. Tradicionalmente, cristãos locais se dirigem à santa montanha a pé ou acampam, desde o dia anterior, no entorno da Basílica da Transfiguração, uma das obras-primas de Antonio Barluzzi na Terra Santa.

NASSEEM LOULOU
Nazaré
“Chegamos ao topo e seremos com Ele transfigurados. Todos os desafios ao longo do caminho são como os desafios de nossa vida. Mas com a ajuda do Espírito Santo, nós superamos. Com ajuda Dele podemos caminhar até aqui, chegando às 5h da manhã.”

LINA SHAER
Jaffa de Nazaré
“Eu participo todos os anos desta marcha com minha família. E amo participar desta caminhada e ensinar às minhas crianças como Jesus sofreu por nós e como podemos ter os mesmos sentimentos e experiências que Ele.”

Ainda na madrugada, uma Missa participada por quem veio nas primeiras horas deste dia celebrativo. Na Eucaristia, o momento de ouvir a voz do Pai: “E da nuvem saiu uma voz que dizia: ‘Este é o meu Filho, o Eleito. Escutai-o!’”.

Já na parte da manhã, mais cristãos da Terra Santa, peregrinos e religiosos chegam para a missa solene presidida pelo Custódio da Terra Santa, frei Francesco Patton. Uma celebração que também leva cada fiel à montanha para se deixar transfigurar.

Fr. FRANCESCO PATTON, ofm
Custódio da Terra Santa
“A montanha é sempre um lugar de revelação, como por exemplo Moisés que recebeu no monte os mandamentos. E Jesus se revela no monte, como havia se revelado o Senhor a Moisés e Elias. Essa festa recorda que toda a Igreja é corpo de Cristo e que manifesta essa beleza, essa luminosidade. E evoca algo pessoal porque nosso corpo é habitado pelo Espírito e que será transformado, transfigurado de maneira semelhante a Jesus. Este é o nosso destino eterno.”

É hora de descer, voltar à realidade. Mas antes, uma recomendação do Senhor: “Ordenou-lhes que não contassem a ninguém o que tinham visto, até que o Filho do Homem ressuscitasse dos mortos" (Mc 9,9). Após a Missa, a procissão até a capela de estilo bizantino que faz memória a estas palavras.

Fr. FRANCESCO PATTON, ofm
Custódio da Terra Santa
“Ao descer do monte, todos nós somos chamados a participar deste combate de Jesus contra o espírito do mal e contra o mal em todas as suas manifestações. E quando descemos do monte, somos chamados a trazer dentro do coração este ato de luz, de beleza, este momento de experiência profunda com Ele, porque dele precisamos. Teremos momentos de dificuldades, de provas, de paixão e de cruz e, nestes momentos, será fundamental recordar o que o Senhor Jesus revelou e fez experimentar quando estava no monte.”

Agora, é levar a experiência da montanha para o cotidiano, em comunhão com a Igreja, a tenda de Deus em meio aos homens.