18 Março 2017

Santa Sé contribui às restaurações na Terra Santa

Chegará do Vaticano uma contribuição de um milhão de dólares para a restauração da Basílica da Natividade e da Basílica do Santo Sepulcro. Os fundos serão colocados à disposição através da Custódia da Terra Santa.

Atualidade e Eventos

Loading the player...
Embed Code  

Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Copy the code below and paste it into your blog or website.
<iframe width="640" height="360" src="https://www.cmc-terrasanta.org/embed/santa-se-contribui-as-restauracoes-na-terra-santa-12629"></iframe>
Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Por favor, envie um email para :
info@cmc-terrasanta.org

Assunto: Pedido de Vídeo de Alta Qualidade

Mensagem:
Arquivo Pessoal / promoção CMC / TV Broadcasting

http://cmc-terrasanta.com/pt/video/atualidade-e-eventos-1/santa-se-contribui-as-restauracoes-na-terra-santa-12629.html

Nenhuma parte deste vídeo podem ser editadas ou disseminada sem um acordo com antecedência com o Christian Media Center acordarem os termos e condições de publicação e distribuição.
A Santa Sé dará uma contribuição importante para a restauração de dois dos principais santuários da Terra Santa. O anúncio do Vaticano foi acolhido com alegria e gratidão pela Custódia da Terra Santa.

Pe. FRANCESCO PATTON, ofm
Custódio da Terra Santa
È uma contribuição que se realiza através do envolvimento da Secretaria de Estado do Vaticano e da Congregação para as Igrejas Orientais.

Pe. FRANCESCO PATTON, ofm
Custódio da Terra Santa
“O valor é 500 mil dólares para a finalização das obras na Basílica da Natividade de Belém e mais 500 mil dólares colocados à disposição para a segunda fase das obras que prevemos realizar no Santo Sepulcro. Após a recente conclusão da restauração da edícula, em uma segunda fase deveria realizar-se essa intervenção na área que se encontra ao redor da edícula”.

As obras na Basílica de Belém inciaram-se em 2013, enquanto na Basílica do Santo Sepulcro em 2016.

Pe. FRANCESCO PATTON, ofm
Custódio da Terra Santa
“As obras na Basílica da Natividade em Belém começaram antes, pois remontam a 2013 e sabemos que são obras muito complexas, pois implicaram a reforma completa da cobertura do telhado que antigamente era de chumbo. Logo, na parte de baixo, as obras internas ligadas à restauração das traves, que são um trabalho enorme e de altíssimo profissionalismo. Realizou-se uma obra enorme de restauração das partes mais artísticas (todos nós recordamos a descoberta do sétimo anjo que nos encaminha para a manjedoura)”.

Pe. FRANCESCO PATTON, ofm
Custódio da Terra Santa
“No que diz respeito às obras no Santo Sepulcro, estamos na reta final com a cerimônia de conclusão das obras de consolidação, de restauração e de recuperação, que era a primeira fase e no início também da única programada. Foram obras mais rápidas, pois o acordo foi assinado em 22 de março de 2016 e a cerimônia de conclusão das obras será realizada depois de um ano exato, em 22 de março de 2017”.

Pe. FRANCESCO PATTON, ofm
Custódio da Terra Santa
“É um trabalho realizado no lugar mais importante para a cristandade inteira, pois a edícula do Santo Sepulcro custodia a rocha sobre a qual foi deposto Jesus depois da sua morte, a silenciosa testemunha da sua ressurreição”.

Ambas as contribuições serão colocadas à disposição através da Custódia da Terra Santa, assim que for assinado a acordo com as outras duas comunidades cristãs envolvidas, a greco-ortodoxa e a armênia.

Pe. FRANCESCO PATTON, ofm
Custódio da Terra Santa
“Nestes lugares nós experimentamos antes de mais nada a graça, o dom que Deus nos deu concretamente nestes lugares. Logo procuramos torná-los acessíveis para os peregrinos poderem fazer uma experiência de fé.
Este ano, ainda, é para nós o oitavo centenário da nossa presença aqui na Terra Santa. É, portanto, a oportunidade de agradecermos a Deus por Ele ter-nos conduzido e preservado ao longo desses 800 anos”.

Pe. FRANCESCO PATTON, ofm
Custódio da Terra Santa
“Sempre que nós cuidamos deste lugar, também através de uma obra material de restauração, o que nós manifestamos é a consciência da importância deste lugar para todos nós, a consciência de que esse lugar mudou nossa história e que é absolutamente fundamental para nossa fé e nossa esperança”.