19 Janeiro 2015

O Natal armênio em Belém

As celebrações do Natal dos ortodoxos armênios, 18 e 19 de Janeiro, fecham a longa estação natalícia em Belém: tempo de festa, mas também de fazer balanço.

Ecumenismo

Loading the player...
Embed Code  

Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Copy the code below and paste it into your blog or website.
<iframe width="640" height="360" src="https://www.cmc-terrasanta.org/embed/o-natal-armenio-em-belem-7809"></iframe>
Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Por favor, envie um email para :
info@cmc-terrasanta.org

Assunto: Pedido de Vídeo de Alta Qualidade

Mensagem:
Arquivo Pessoal / promoção CMC / TV Broadcasting

http://cmc-terrasanta.com/pt/video/ecumenismo-3/o-natal-armenio-em-belem-7809.html

Nenhuma parte deste vídeo podem ser editadas ou disseminada sem um acordo com antecedência com o Christian Media Center acordarem os termos e condições de publicação e distribuição.
Tocam em festa os sinos, a cruz florescida (um dos símbolos da Armênia) atravessa a Praça da Manjedoura e o incenso é queimado pelo superior da Basílica da Natividade; é novamente Natal em Belém. As celebrações da Igreja armênia apostólica (isto é ortodoxa), em Belém, se abrem no dia 18 de janeiro, com a entrada solene do Patriarca de Jerusalém, o arcebispo Narhoun Manoogian. Segundo uma antiga tradição, o Natal para os armênios cai em 6 de janeiro do calendário juliano, que corresponde a 19 de Janeiro no calendário gregoriano.

Após a acolhida no mosteiro armênio, localizado no complexo da Natividade, o patriarca preside a divina liturgia dentro da basílica, da qual a Igreja Ortodoxa Armênia, junto com os católicos e greco-ortodoxos, é custódia.

P. KHAT JOUNDOURIAN
Superior armênio Basilica da Natividade
“Como povo armênio, na Cisjordânia, em Jerusalém, Haifa, Jaffa, somos quase dez mil pessoas. Vivemos bem, graças a Deus, especialmente na Palestina. No Natal, devemos abrir os olhos do coração, e não os nossos olhos, para ver a verdade”.

Apesar de não estar entre as mais numerosas hoje, a comunidade armênia-ortodoxa é muito dinâmica e uma das mais antigas na Terra Santa: os primeiros registros datam do século III. Um pensamento especial também a Belém neste Natal de início 2015, vai ao centenário do genocídio armênio, que se recorda este ano.


P. KHAT JOUNDOURIAN
Superior armênio Basílica da Natividade
“O povo armênio em 1915, foi deportado porque não aceitou mudar de religião. Saímos da Armênia e agora a Armênia é um quarto do que era antes. Tivemos pessoas martirizados porque não renunciaram a sua fé”.


O Natal dos armênios fecha mais de um mês e meio de celebrações e eventos em Belém, que iniciaram com o primeiro domingo do Advento. O período de Natal é o mais importante do ano para a cidadezinha da Cisjordânia, também do ponto de vista econômico. Uma temporada sobre a qual já se fazem balanços e se traçam perspectivas.

RULA MAAYAH
Ministro do turismo Autoridade palestina
“Tivemos, somente no mês passado, cerca de 100 mil turistas que chegaram à Palestina e, particularmente, a Belém. Este mês, nas duas últimas semanas, tivemos cerca de 50 mil. Dizemos que este número de visitantes à Palestina é aceitável para nós, apesar dos muitos problemas. Mas estamos trabalhando para ter sempre mais turistas. Se compararmos 2013 e 2014, temos ainda um aumento dos pernoites na Palestina, de 9 por cento; enquanto no número de visitantes, temos uma redução de 3 por cento”.

VERA BABOUN
Prefeita de Belém
"A situação política tem um impacto direto sobre o turismo em Belém e, sobretudo, também sobre a participação na celebração do Natal em Belém. Belém é a cidade delimitada pelo muro, infelizmente. E isso contradiz a mensagem original sobre o significado da paz. Todos aqueles que acreditam na mensagem de Belém são cidadãos de Belém, que vivem aqui ou em qualquer lugar do mundo”.