07 Janeiro 2015

O Natal das Igrejas Ortodoxas

É festa em Belém 6 e 7 de Janeiro, também pelo Natal dos ortodoxos, celebrado com entradas solenes dos líderes das várias Igrejas e grande participação dos fiéis.

Ecumenismo

Loading the player...
Embed Code  

Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Copy the code below and paste it into your blog or website.
<iframe width="640" height="360" src="https://www.cmc-terrasanta.org/embed/o-natal-das-igrejas-ortodoxas-7732"></iframe>
Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Por favor, envie um email para :
info@cmc-terrasanta.org

Assunto: Pedido de Vídeo de Alta Qualidade

Mensagem:
Arquivo Pessoal / promoção CMC / TV Broadcasting

http://cmc-terrasanta.com/pt/video/ecumenismo-3/o-natal-das-igrejas-ortodoxas-7732.html

Nenhuma parte deste vídeo podem ser editadas ou disseminada sem um acordo com antecedência com o Christian Media Center acordarem os termos e condições de publicação e distribuição.
Se é verdade que em Belém é Natal todos os dias, esta afirmação é válida nos dias 6 e 7 de janeiro – que correspondente ao 24 e 25 de dezembro do calendário juliano - quando as igrejas ortodoxas presentes na Terra Santa celebram o nascimento de Jesus. A Praça da Manjedoura se transforma em uma passarela, para acolher a entrada solene dos vários bispos e patriarcas, que representa, na tradição de Belém, um dos momentos-chave da celebração do Natal.

Os primeiros a chegar no início da manhã na véspera de Natal, são os sírio-ortodoxos e coptas (de origem egípcia). Eles fazem uma entrada solene na praça e, em seguida, depois de uma celebração em suas respectivas igrejas em Belém, visitam a Igreja da Natividade. Particularmente animado - como é típico da cultura africana - é a entrada da comunidade ortodoxa etíope, que última chega a Belém, na tarde de 06 de janeiro.

A entrada mais participada é, sem dúvida, a do Patriarca greco-ortodoxo de Jerusalém Teófilo III. Após a entrada em procissão na Basílica, visita a gruta da Natividade e depois preside a primeira de uma série de celebrações no Katholikon, no centro da igreja, incluindo as Vésperas e vários incensações.
Se é verdade que em Belém é Natal todos os dias, esta afirmação é válida nos dias 6 e 7 de janeiro – que correspondente ao 24 e 25 de dezembro do calendário juliano - quando as igrejas ortodoxas presentes na Terra Santa celebram o nascimento de Jesus. A Praça da Manjedoura se transforma em uma passarela, para acolher a entrada solene dos vários bispos e patriarcas, que representa, na tradição de Belém, um dos momentos-chave da celebração do Natal.
Spk 1 – 00.00.25

Os primeiros a chegar no início da manhã na véspera de Natal, são os sírio-ortodoxos e coptas (de origem egípcia). Eles fazem uma entrada solene na praça e, em seguida, depois de uma celebração em suas respectivas igrejas em Belém, visitam a Igreja da Natividade. Particularmente animado - como é típico da cultura africana - é a entrada da comunidade ortodoxa etíope, que última chega a Belém, na tarde de 06 de janeiro.

Spk 1 – 00.00.19

A entrada mais participada é, sem dúvida, a do Patriarca greco-ortodoxo de Jerusalém Teófilo III. Após a entrada em procissão na Basílica, visita a gruta da Natividade e depois preside a primeira de uma série de celebrações no Katholikon, no centro da igreja, incluindo as Vésperas e vários incensações.
Spk 2 – 00.00.42 (uomo EN) S.E. Arcebispo ARISTARCO Secr. Ge. Maior – Patriarcado greco-ortodoxo de Jerusalém

“A celebração mais importante é hoje, que é véspera de Natal, um dia antes do Natal. Nós seguimos uma tradição antiga: desde o século IV, a Igreja de Jerusalém celebra a festa de Natal em Belém, não em Jerusalém. Em Belém, porque ele nasceu em Belém, de acordo com as Escrituras, Nosso Senhor Jesus Cristo. Por isso, hoje, nós temos uma celebração - como você viu, com muitas pessoas que se aglomeram na praça e participam da entrada do nosso Patriarca, Sua Beatitude Theófilo”.
Spk 1 – 00.00.10

A festa do Natal ortodoxo em Belém é um encontro de povo que atrai peregrinos de todas as partes de Israel e da Palestina, mas também do resto do mundo.

Spk 2 – 00.00.41 (uomo EN)

“Meu nome é Jorge, eu venho de Jerusalém, mas eu nasci em Jaffa. Eu pertenço à Igreja greco-ortodoxa palestina de Jerusalém, e todos os anos eu venho aqui para celebrar a liturgia do Natal. Recorda-se quando Jesus nasceu, o Salvador do mundo, se reza, se jejua, se recebe a comunhão, se encontram fiéis de todos os tipos. É importante, em particular, encontrar ortodoxos que vêm de todo o mundo. Há armênios, ortodoxos russos, sérvios ... Todos estão aqui”.

Spk 3 – 00.00.16 (donna EN)
“Meu nome é Julia, sou da Rússia e eu vim aqui só para o Natal. É realmente uma grande honra e uma alegria para cada cristão e cada ortodoxo estar aqui e celebrar esta festa aqui na Palestina. Estou muito feliz”.
Spk 1 – 00.00.18
A combinação do Natal ortodoxo com a Epifania dos cristãos católicos conduz à celebração em vários ritos no mesmo momento e todos em Belém. O lugar onde Jesus se manifesta como verdadeiro Deus e verdadeiro homem recorda aos cristãos de todas as denominações o compromisso pela unidade.



Spk 2 – 00.00.56 (uomo EN) S.E. Arcebispo ARISTARCO Secr. Ge. Maior – Patriarcado greco-ortodoxo de Jerusalém

“Toda a cristandade celebra o Natal. As igrejas ocidentais já celebraram, enquanto nós celebramos agora. De maneiras diferentes, celebramos um fato e este fato é o evento da encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus. O Filho de Deus que se tornou também o filho do homem. Há muitas maneiras em que nós - a Igreja greco-ortodoxa, a Igreja do Ocidente, os franciscanos, as Igrejas Orientais - cooperamos. E colaboramos no interesse do cristianismo, das nossas congregações cristãs e não só por interesse, os problemas das populações locais. Por isso devemos contribuir para oferecer - se possível – soluções”.
S.E. Arcebispo ARISTARCO Secr. Ge. Maior
Patriarcado greco-ortodoxo de Jerusalém

“A celebração mais importante é hoje, que é véspera de Natal, um dia antes do Natal. Nós seguimos uma tradição antiga: desde o século IV, a Igreja de Jerusalém celebra a festa de Natal em Belém, não em Jerusalém. Em Belém, porque ele nasceu em Belém, de acordo com as Escrituras, Nosso Senhor Jesus Cristo. Por isso, hoje, nós temos uma celebração - como você viu, com muitas pessoas que se aglomeram na praça e participam da entrada do nosso Patriarca, Sua Beatitude Theófilo”.

A festa do Natal ortodoxo em Belém é um encontro de povo que atrai peregrinos de todas as partes de Israel e da Palestina, mas também do resto do mundo.

“Meu nome é Jorge, eu venho de Jerusalém, mas eu nasci em Jaffa. Eu pertenço à Igreja greco-ortodoxa palestina de Jerusalém, e todos os anos eu venho aqui para celebrar a liturgia do Natal. Recorda-se quando Jesus nasceu, o Salvador do mundo, se reza, se jejua, se recebe a comunhão, se encontram fiéis de todos os tipos. É importante, em particular, encontrar ortodoxos que vêm de todo o mundo. Há armênios, ortodoxos russos, sérvios ... Todos estão aqui”.

“Meu nome é Julia, sou da Rússia e eu vim aqui só para o Natal. É realmente uma grande honra e uma alegria para cada cristão e cada ortodoxo estar aqui e celebrar esta festa aqui na Palestina. Estou muito feliz”.

A combinação do Natal ortodoxo com a Epifania dos cristãos católicos conduz à celebração em vários ritos no mesmo momento e todos em Belém. O lugar onde Jesus se manifesta como verdadeiro Deus e verdadeiro homem recorda aos cristãos de todas as denominações o compromisso pela unidade.

S.E. Arcebispo ARISTARCO Secr. Ge. Maior – Patriarcado greco-ortodoxo de Jerusalém
“Toda a cristandade celebra o Natal. As igrejas ocidentais já celebraram, enquanto nós celebramos agora. De maneiras diferentes, celebramos um fato e este fato é o evento da encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus. O Filho de Deus que se tornou também o filho do homem. Há muitas maneiras em que nós - a Igreja greco-ortodoxa, a Igreja do Ocidente, os franciscanos, as Igrejas Orientais - cooperamos. E colaboramos no interesse do cristianismo, das nossas congregações cristãs e não só por interesse, os problemas das populações locais. Por isso devemos contribuir para oferecer - se possível – soluções”.