07 Fevereiro 2018

Retornando às fontes da fé

Um grupo de colaboradores da Santa Sé, conduzidos por Dom Piero Marini, vieram em peregrinação à Terra Santa a fim de retornarem às fontes da fé.

Peregrinos

Loading the player...
Embed Code  

Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Copy the code below and paste it into your blog or website.
<iframe width="640" height="360" src="https://www.cmc-terrasanta.org/embed/retornando-as-fontes-da-fe-14352"></iframe>
Solicite Vídeo de Alta Qualidade
Por favor, envie um email para :
info@cmc-terrasanta.org

Assunto: Pedido de Vídeo de Alta Qualidade

Mensagem:
Arquivo Pessoal / promoção CMC / TV Broadcasting

http://cmc-terrasanta.com/pt/video/peregrinos-6/retornando-as-fontes-da-fe-14352.html

Nenhuma parte deste vídeo podem ser editadas ou disseminada sem um acordo com antecedência com o Christian Media Center acordarem os termos e condições de publicação e distribuição.
O primeiro fim de semana de fevereiro foi ensolarado na quase primavera em Jerusalém. E dentro do fluxo de peregrinos aos santuários, encontramos um grupo de colaboradores da Santa Sé, conduzidos por DomPiero Marini, que tem uma longa e especial relação com a Terra Santa.

DomPIERO MARINI
Presidente do Pontifício Comitê para os Congressos Eucarísticos Internacionais
“Estas são experiências que nos ensinam a fé, nosso relacionamento com o Evangelho. Todo fiel tem alguma relação com esses lugares. Desde que eu era mestre das celebrações, sempre organizei viagens para redescobrir nossa fé. Às vezes, é necessário voltar às fontes da fé.”

Pe. JUAN JAVIER FLORES ARCAS
Pontifício Instituto Litúrgico do Ateneu Santo Anselmo - Roma
“Toda ocasião é nova para encontrar novos aspectos, para descobrir diferentes lugares, novas sensações e, toda vez que você vem para a Terra do Senhor, você descobre algo novo. Tudo fala aqui.”

Cada peregrino traz sua história de vida e, a partir disso, ele também faz uma experiência com a Terra Santa.

Pe. GIUSEPPE LIBERTO
Maestro Emérito da Capela Musical Pontíficia Sistina
“Eu associo estar aqui com as celebrações: nós, durante o ano litúrgico, celebramos os mistérios da vida de Cristo, os mistérios que se realizaram nesses lugares, e é lindo rever estes célebres mistérios nos lugares onde aconteceram. É por isso que eu gosto de chamar essas celebrações de uma peregrinação embalada pela música.”

Outro aspecto que exige atenção é a diversidade de formas de expressões.

“Gostaria de enfatizar o ecumenismo que é vivido aqui, a presença de tantos povos e de tantas pessoas que acreditam em Cristo e de diferentes modos. Para mim, é uma alegria real que também me dá segurança.”

Visitar a Terra Santa é sempre uma experiência muito forte, tanto para aqueles que vêm aqui pela primeira vez como para os que retornam.

“Uma experiência muito intensa. Nos permite percorrer os momentos mais importantes da vida de Cristo. Esperamos voltar.”

“Trabalhei por 20 anos na propaganda Fidei. Ver que a fé foi verdadeiramente propagada é uma alegria. Foi realmente um presente chegar à Terra Santa.”

Pe. EDUARDO LÓPEZ TELLO GARCÍA, osb
Decano da Faculdade de Teologia – Pontifício Instituto Litúrgico do Ateneu Santo Anselmo –Roma
“Esta éminhaprimeiravezaqui. Souprofessorna Santo Anselmo no curso de Cristologia. Para mim, viraquifoitocar e ver a fé. O queeu farei no meuretorno a Roma seráexplicaraosmeusalunoscomo o homemrecebe Deus e Deus acolhe o homem. Esta foiminhaexperiência.”

Pe. VITTORE BOCCARDI, sss
Pontifício Comitê para os Congressos Eucarísticos Internacionais
“Vir a Jerusalém e retornar à Terra Santa, como sempre, significa retornar às raízes da fé. E em Jerusalém é sempre uma experiência extraordinária. Aqui há uma sobreposição de fé, de povos. Isso nos dá esperança no futuro.”

Dom Piero Marini foi mestre das celebrações litúrgicas papais de 1987 a 2007. Foram 18 anos ao lado do Papa João Paulo II. Há vários momentos inesquecíveis, em particular a jornada para a Terra Santa, no grande jubileu no ano de 2000.

DomPIERO MARINI
Presidente do Pontifício Comitê para os Congressos Eucarísticos Internacionais
“Existem algumas memórias que não podem ser excluídas. Uma das memórias mais bonitas foi a da Missa celebrada no Cenáculo. Recordo também o gesto que fez João Paulo II quando colocou seu bilhete de oração no Muro das Lamentações. Lembro-me ainda da celebração em Belém, na praça, com uma grande participação de pessoas. Estas são as memórias que me vêm à mente agora. Foi uma jornada verdadeiramente rica e importante também para minha vida de fé, que me ensinou muito. Eu certamente retornarei.”